“Quer ser competitivo? Inove!”, diz professor Waldez Luiz Ludwig no Eneac

A última palestra apresentada na 25ª edição do Encontro Nacional das Empresas de Asseio e Conservação (Eneac) abordou como as empresas devem competir no mercado, que muda a cada dia, com as constantes inovações das tecnologias de informação. De forma bem humorada, o professor, consultor em gestão empresarial e palestrante Waldez Luiz Ludwig falou para a plateia sobre inovação, criatividade e estratégias competitivas na palestra “Competitividade em tempos de grandes mudanças”.

20160923_120224

Ludwig começou a sua palestra lembrando das revoluções pelas quais a humanidade já atravessou, desde o homem das cavernas até os dias atuais.

“A inovação já começou nas cavernas, quando o ser humano inventou o domínio do fogo. Essa inovação é tao importante, que você não vive sem ela até hoje e acende fogueira todo dia quando acorda, no fogão”, brincou.

Em seguida, o professor continuou falando da segunda revolução, quando muito tempo depois o homem descobriu o arado. “A família foi criada para fazer agricultura. E aí surgiu o capataz, que aliás existe até hoje. A gente chama de gerente (risos)”, disse.

A terceira revolução foi a industrial, na qual, segundo o palestrante, começou a separação entre trabalho e vida. “Uma bobagem! A revolução industrial separou o trabalho da arte. De alguns anos para cá, trabalho é sacrifício, e arte, diversão. Mas a revolução industrial fez uma coisa pior: separou a humanidade em dois tipos, os que pensam e os que fazem, a chamada mão de obra, que ainda qualificamos para serem cachorros bem qualificados”, destacou.

O professor cita que no Brasil, entre 70 e 75 % das pessoas dizem que odeiam trabalhar. Isso porque, segundo ele, o ser humano virou bicho, não se sente um pensador, contrapondo o que o filósofo Aristóteles dizia sobre as qualidades que o tornam ser humano: ter criatividade e saber negociar.

“Só mandamos nos animais porque temos ideia. Mas quando a mão de obra é tratada como bicho que não pensa, surge o ódio ao trabalho. E com isso, criaram a avaliação de desempenho, que é pra cavalo; plano de cargos e salário,  uma das maiores lástimas do mundo, porque tabelou todo mundo por igual; e a isonomia salarial. Não importa a competência, se você está em uma mesma função que o outro, receberá o mesmo salário”, afirmou.

Com a quarta revolução, na década de 70, quando houve a união do computador com o satélite, o mundo competitivo mudou. Hoje, ganha-se pelo talento e não pela tabela, por isso, é errôneo achar que o mundo está em crise. Para o palestrante, está em constante transformação. “A revolução agora não está nos meios de produção, mas na base da economia, que deixou de ser material e passou a ser espiritual”.

Para exemplificar, Ludwig citou o caso de marcas valiosas no passado, como a Esso, que hoje foram ultrapassadas por “marcas que vendem espírito”, design e beleza, como a Apple. “São empresas que não tem grandes frotas, muitos funcionários, e no caso da Apple, nem o computador é dos melhores, mas ele é lindo”, comentou.

Já o fenômeno mundial da “uberização” da economia, que tira o negócio das mãos do intermediário, é um exemplo de inovação que muda completamente toda uma indústria e o comportamento do consumidor, com atendimento e vendas sendo realizadas através de aplicativos de celular e tablets.

20160923_131931

Na economia da rede, todas as transações passam a ser feitas através de bits, como a tecnologia Blockchain, estrutura de dados que representa uma entrada de contabilidade financeira ou um registro de uma transação. Nos Estados Unidos, a candidata à presidência Hillary Clinton já anunciou que em seu governo o serviço público vai ser todo realizado através dessa tecnologia.

“Começamos como tribo e domínio do fogo,  fomos para o arado com a família. Passamos pela indústria, e agora tudo é rede, mas o serviço público do Brasil é da era antes de Ford. Tem protocolo ainda”, disse.

Para os empresários, Luiz Ludwig deixa um recado. “Quer ser competitivo? Inove!  As ideias estão no futuro que não existe e pode ser criado.  Não está previsto, mas as tendências são identificadas. E ouçam: o jovem está sempre certo sobre o futuro”, indicou.

E não há grandes fórmulas para saber se algo vai dar certo. Segundo o professor, basta perceber que se alguém entrou na justiça, é porque vai ser sucesso. Este é o caso atual dos taxistas contra o Uber e, antes, das empresas de telefonia contra o Whats App.

Sobre o serviço de asseio e conservação, o palestrante é catedrático em dizer que é necessário que os empresários se atualizem sobre o que a nova geração de clientes deseja. “Não vai na onda da velharia que vai dar errado”, brincou.

A estratégia, portanto, é decidir contra quem irá competir e o que fazer. Se a competição for só com base em preços, a empresa está acabada.

“O serviço é intangível e o resultado é sentimento. Vocês não entregam geladeira, entregam sentimento”, disse Ludwig, que ainda deixou mais um conselho: “Vocês têm que se unir cada vez mais. O negócio é o poder do conjunto. E não esqueçam que o cliente está sempre razão, ele está no controle, porque o dinheiro está no bolso dele e você quer que venha para o seu. Temos que aumentar o valor percebido pelo cliente pelo menor custo com conhecimento. Portanto, agrade-o sempre”.

Quanto à inovação no país, para Ludwig, falta muito ainda, porque as pessoas confundem criatividade com inovação. “O Brasil não cresce porque não tem resultado.  Se não cresce, não tem emprego e nem investimento. O que falta nesse país é líder. Criatividade é coisa de pobre.  Uma coisa é uma ideia e outra é resultado,  isso é inovação.  Inovação é talento, não é conhecimento.  As pessoas recebem pela raridade e não pela importância”, pontou.

Para inovar, os empresários devem perceber que todas as inovações da humanidade foram feitas com metas impossíveis. “Coloque uma meta difícil e não contrate gente que goste de trabalhar,  contrate gente talentosa. A competitividade está baseada em gente.  A única coisa que presta na tua empresa são as pessoas que você tem lá”.

Mas ter talento, segundo o especialista, é diferente de capacitação.  É o que uma pessoa faz diferente da outra, o que envolve sentimento,  pensamento e, principalmente, comportamento produtivo quando aplicado.

Por último, Ludwig deixa a mensagem: “parem com essa coisa de dividir mão de obra de quem pensa. É o ‘valetudismo’ que funciona”, disse.

Esta entrada foi publicada em COBERTURA ENEAC 2016 e marcada com a tag , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *